EDUCAÇÃO DO CAMPO E AGRONEGÓCIO EM RONDÔNIA

Autores

Resumo

RESUMO: O presente artigo é um recorte da pesquisa de doutorado, que se encontra em andamento, que investiga o fechamento das escolas do campo no Vale do Jamari, região central do estado de Rondônia. O fenômeno teve início nos anos 2000, em consequência das transformações que vem ocorrendo na zona rural de todo o país, principalmente nas regiões Norte e Centro Oeste. Nestas, o avanço das cultivares destinadas à exportação, como soja e milho tem ocupado a maior parte das áreas agricultáveis, em detrimento do espaço utilizado para a produção de alimentos tradicionais como mandioca, feijão, legumes e hortaliças destinadas ao consumo local. Os donos de pequenas propriedades são forçadas a vender seus lotes aos grandes proprietários, visto que estes geralmente possuem grandes volumes financeiros e pagam valores acima do mercado. Buscando levar ao entendimento da questão, pelo fato de a mesma ser um fenômeno recorrente historicamente no país, desde os tempos coloniais, passando pelos dois Impérios e a partir do século XX. A problemática do campo tem reflexos profundos na questão educacional, impedindo a implantação de políticas que venham a incrementar a educação do campo em seu legítimo propósito, que é o de promover a cidadania, a dignidade e a humanização daqueles que vivem no campo e nele garantem a sua sobrevivência.

Biografia do Autor

Raimundo José dos SANTOS FILHO, Instituto Federal de Rondônia

Professor do departamento de Sociologia do Instituto Federal de Rondônia-IFRO

Downloads

Publicado

11/07/2021

Como Citar

SANTOS FILHO, R. J. dos. (2021). EDUCAÇÃO DO CAMPO E AGRONEGÓCIO EM RONDÔNIA. ANAIS DO SEMINÁRIO FORMAÇÃO DOCENTE: INTERSECÇÃO ENTRE UNIVERSIDADE E ESCOLA, 4(4), p. 1–12. Recuperado de https://anaisonline.uems.br/index.php/seminarioformacaodocente/article/view/7431