EXPERIÊNCIAS DO ESTÁGIO NA CONSTITUIÇÃO DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA: UM OLHAR PARA O PAPEL DO INTÉRPRETE

Mariana Fanhani RENOVATO, Renata Viviane RAFFA RODRIGUES

Resumo


O presente trabalho tem como objetivo apresentar uma análise crítica sobre o papel do intérprete de LIBRAS a partir de observações realizadas em aulas de Matemática.  A escrita do mesmo foi motivada pelas experiências de Estágio Supervisionado no Ensino Fundamental II cursado no sexto semestre da Licenciatura em Matemática da Universidade Federal da Grande Dourados, desenvolvida em uma sala do sétimo ano de uma escola pública da cidade de Dourados, que contava com a presença de um aluno com surdez e com a presença de um intérprete. Por meio da análise das ações do intérprete na tradução das explicações matemáticas orais do professor da turma, pretende-se discutir o que envolve o papel do intérprete de LIBRAS e levantar questões como: há diferenças entre tradução e interpretação? Qual a realidade dos alunos com essa deficiência nas escolas de Educação Básica atuais? Qual o papel do professor atuante ao lidar com o aluno e com a presença do intérprete em sala? A relação do intérprete com os demais alunos interfere no aprendizado do aluno surdo? A partir desses questionamentos apresentamos algumas relações com a formação de professores de Matemática, incluindo os professores que já estão atuando na sala de aula, de modo particular sobre as interações entre professor e intérprete e, além disso, entre professor, interprete e aluno surdo.


Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.