MARTÍRIO: CINEMA/MITO À LUZ DA FENOMENOLOGIA

Autores

  • Adma Cristina Salles de Oliveira

Resumo

Resumo: a pesquisa tem por objetivo descrever as temáticas sociais apresentadas no filme Martírio (2017). Por meio da teoria e metodologia fenomenológica podemos interpretar, entender a corporeidade do outro, o outro por meio da escuta, suas ações, palavras, gestos e mitos. Não podemos viver no corpo do outro, a vida do outro, mas podemos nos indignar com o sofrimento alheio, despertar a sensibilidade humana, para auxiliar a defesa dos direitos humanos, na construção da consciência na circularidade da vivência. Neste sentido, a filosofia pensada parte do corpo vivente, princípio de conhecimento situado em um determinado espaço, compondo a paisagem circunscrita em diferentes dimensões, sentidos de tempo/ espaço/ esfericidade, apresentadas na subjetividade etnográfica do filme. Perceber o eu e outro na relação dos corpos, com saberes transmitidos e conhecimentos construídos cientificamente na colonialidade. Nesse sentido, Martírio desperta a sensibilidade da dimensão humana, esperança de um sentido singular, no movimento da carnalidade, por meio dos sentimentos, sensações, desejos, dor, prazer, pela ação e sensação de fome, pela intersubjetividade dos sonhos, choros, cheiros, pela realização objetiva na busca da terra (tekohá). Na descrição de vidas exterminadas pelo sistema de poder que hostiliza a diferença cultural, que defendem a coexistência mitológica.

 Palavras-chave: Fenomenologia. Mito. Cinema.

Downloads

Publicado

22/03/2020

Como Citar

Oliveira, A. C. S. de. (2020). MARTÍRIO: CINEMA/MITO À LUZ DA FENOMENOLOGIA. ANAIS DO SEMINÁRIO SUL-MATO-GROSSENSE EM EDUCAÇÃO, GÊNERO, RAÇA E ETNIA, 2(2). Recuperado de https://anaisonline.uems.br/index.php/mseducacaogeneroracaetnia/article/view/6759