OS MUROS DA ESCOLA: AS RELAÇÕES ÉTNICO-RACIAIS E O CURRÍCULO - (IM)POSSIBILIDADES

Celia de Jesus Alves, Bartolina Ramalho Catanante

Resumo


Pretende-se com este trabalho tecer algumas reflexões acerca das relações étnico-raciais e o currículo, trazendo algumas análises quanto as dimensões políticas e pedagógicas que ocupam campo do currículo escolar, considerando os entraves e as possibilidades da escola, em construir um projeto educativo que inclua práticas de educação afirmativas, e considere a diversidade étnico-racial como partícipes do universo da escola. Para tanto, partimos da reflexão do contexto da história educacional brasileira e dos avanços das leis na regulação da educação nacional, em especial as Leis 9394/96, 10.639/2003 e 11.645/2008 que determinam que atemática étnico-racial integre currículo oficial das escolas. Neste sentido, entendendo o currículo como construção social, logo, passível de ser mudanças, sinalizamos para sua reconstrução de modo a atender os diferentes grupos énico-raciais pertencentes na sociedade, bem como, considerar os diferentes elementos que constituem estes grupos no qual, configura a identidade da nação. Pois, ao atentarmos o olhar para as relações estabelecidas dentro da escola, observando suas práticas, verificamos as histórias que se produzem nessas relações e como os sujeitos dessas interações constroem os sentimentos de pertencimento e exclusão. Assim, compete à escola reformular-se com base na observância do currículo e seus reflexos nas abordagens educativas reproduzidas pelos agentes escolares diante da incumbência de favorecer igualdade. Deste modo, através de pesquisa bibliográfica este artigo almeja refletir sobre o currículo e suas (im)possibilidades no espaço escolar.

  

Palavras-Chave: Relações Étnico-raciais. Escola. Currículo.


Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.