AVALIAÇÃO E ORIENTAÇÃO DAS CONDIÇÕES HIGIÊNICO-SANITARIAS DE SUPERMERCADOS NA CIDADE DE NAVIRAÍ-MS

Mariana de Melo Alves, Thalia Fernanda Faustino do Nascimento, Giovanna Lara dos Santos de Oliveira, Mariana Manfroi Fuzinatto

Resumo


A conservação da integridade e saúde de todo ser vivo depende do consumo diário de alimentos que sejam quantitativa e qualitativamente apropriados, e saudáveis. Isto demanda que normas, limites e padrões sejam instituídos por órgãos competentes, desempenhando tarefas de inspeção, controle, fiscalização e vigilância, a fim de certificar a qualidade dos alimentos em estabelecimentos que os manipulam. O objetivo do presente trabalho foi avaliar as condições higiênico-sanitárias de dois supermercados localizados no município de Naviraí-MS, bem como a avaliação do conhecimento e orientação para os funcionários e proprietários sobre os procedimentos que devem ser adotados durante a manipulação, armazenamento e distribuição de alimentos fornecidos aos consumidores. O trabalho foi desenvolvido durante onze meses em dois supermercados, no qual foi necessário o consentimento dos estabelecimentos classificados como supermercado A e B, em seguida foi feito a aplicação de um questionário de avaliação do nível de conhecimentos dos funcionários e proprietários sobre as Boas Práticas de Manipulação (BPM), e com o auxílio do check-list -lista de verificação de BPM avaliou-se as edificações, instalações, equipamentos, móveis e utensílios. Também foi analisada a higiene pessoal dos funcionários, o armazenamento dos alimentos, e por fim foi elaborado um material informativo e realizada uma palestra para os proprietários e funcionários dos estabelecimentos. Os resultados mostraram que no supermercado A, o percentual de manipuladores com conhecimento em relação às Boas Práticas de Manipulação foi de 70%, e no supermercado B, foi de 49%, resultado abaixo de 50%, demonstrando a necessidade da qualificação profissional e treinamentos para os funcionários. Se tratando das edificações, instalações, equipamentos, móveis e utensílios dos supermercados, foram classificados como regulares, apresentando percentuais de conformidade de 70 a 88% para o supermercado A, e de 52 a 88% para o supermercado B, já no quesito higiene dos funcionários, foram observados os itens exigidos pela legislação, chegando à conclusão, que 70% dos itens nos dois supermercados estavam conforme e atendiam exigências, porém em questão de não conformidade dois itens foram classificados como críticos: o armazenamento dos alimentos e a documentação sanitária, mas para cada supermercado foi entregue um material informativo para auxiliá-los, e através de uma palestra que foi aplicada, foram abordados e demonstrados as necessidades sanitárias e as exigências da legislação para a garantia de alimentos seguros, no entanto, apenas um supermercado compareceu. Isso evidenciou que há a necessidade de maior atenção e investimentos por parte dos estabelecimentos no sentido de adequar e atender as exigências da legislação, e que a aplicação das Boas Práticas nos supermercados reflete positivamente, diminuindo riscos que comprometam a qualidade dos produtos, protegendo a saúde do consumidor e a imagem do supermercado.


Texto completo:

Sem título

Apontamentos

  • Não há apontamentos.