PROMOÇÃO E CUIDADO EM SAÚDE NO TOCANTE A ALIMENTAÇÃO E A QUALIDADE DE VIDA PARA PREVENÇÃO E CONTROLE DA HIPERTENSÃO

Vitoria Eugênia Siqueira Ferreira

Resumo


A hipertensão arterial estabeleceu-se como agravante para doenças cardiovasculares e também um problema para a saúde pública e na vida dos brasileiros. Foram atendidas 228 pessoas, sendo 107 do sexo feminino e 121 do sexo masculino. O projeto teve por objetivo verificar os níveis pressóricos, identificar o consumo de alimentos com elevado teor de sódio e orientar adultos e idosos de ambos os sexos sobre promoção da saúde e a necessidade de hábitos alimentares adequados para o controle da hipertensão. O presente trabalho foi desenvolvido na rede Abevê de Supermercados e nas dependências da Estação Rodoviária de Dourados. Após a coleta dos dados e o aferimento da pressão foram passadas as orientações nutricionais conforme a necessidade e realidade de cada participante. No tocante aos riscos da hipertensão os mesmos foram alertados em relação ao desenvolvimento ou agravo de outras doenças e que estão associadas a essa situação. Ressaltou-se principalmente sobre a importância do controle da hipertensão, a seriedade em tomar as medicações corretamente e principalmente sobre a necessidade de manter uma boa alimentação e cuidar com o consumo excessivo de sódio. As orientações foram passadas por meio de um diálogo informal, com o auxílio de um folder, construído anteriormente, o qual contém os dados dos participantes e orientações sobre como melhorar a alimentação e a qualidade de vida para prevenir e controlar a hipertensão. Cabe esclarecer que o folder foi entregue aos participantes ao final das orientações. Observou-se que 52,19% (n=119) dos participantes encontravam-se no estrato de idade entre 50-64 anos e que entre os 228 participantes 52,63% (n=120) eram diagnosticados hipertensos, dentre os hipertensos 46,66% (n=56) estavam com a pressão arterial (PA) maior ou igual à 140/90 mmHg, porém 21 homens e 4 mulheres (n=25) 10,96% dos participantes estavam com a PA maior ou igual à 140/90 mmHg e não eram diagnosticas hipertensos. Foi notável a despreocupação com relação a PA alterada principalmente entre os homens, vários não aceitavam que tinham pressão alta, ou diziam até que já tiveram, porém deixaram de ter, o que é errôneo, pois uma vez hipertenso sempre hipertenso, além disso, foi comum ouvir piadinhas de conformismo e despreocupação com a saúde, notou-se ainda a irregularidade na administração dos medicamentos, neste ponto as mulheres mostraram-se mais responsáveis com os horários e continuidade da medicação, se identificaram como responsáveis por cuidar da administração dos medicamentos nos horários devidos e do preparo de alimentos de uma forma mais saudável para a toda a família. Diante do exposto foi notória a diferença entre homens e mulheres tanto em relação aos cuidados com a saúde como na aceitação e atenção as orientações passadas.


Texto completo:

Sem título

Apontamentos

  • Não há apontamentos.