O USO DO PBL COMO FORMA DE EDUCAÇÃO EM SAÚDE NA PREVENÇÃO AO USO DE DROGAS

Diego Silva Bessa

Resumo


A adolescência é considerada uma importante etapa do desenvolvimento humano, por tratar-se de uma fase de transição entre a infância e o estado adulto, marcada por mudanças físicas, psicológicas e sociais. Nesse momento, os indivíduos tornam-se mais suscetíveis à experimentação de novos comportamentos, dentre eles o primeiro contato com as drogas. Ademais, esse contato faz-se de forma cada vez mais precoce, devido à sugestão gerada por parte do círculo de amizades e por vezes da própria família. Diante disso, a educação em saúde torna-se uma ferramenta valiosa na prevenção e promoção à saúde. No entanto, para que a informação atinja seu objetivo é necessário que ela seja transmitida de modo correto e completo, explicando os efeitos negativos do uso das drogas, porém esclarecendo que existe uma satisfação momentânea. Com essa teoria, a escola torna-se um importante espaço para a produção de atividades de educação em saúde. No entanto, a educação em saúde realizada nesse local deve possuir base tanto em referências modernas, quanto nas que compreendem o fenômeno saúde. Nesse contexto, o método PBL (Problem Based Learning – Aprendizagem Baseada em Problemas), consiste em uma interessante ferramenta de aprendizado, por tratar-se de uma prática pedagógica em que há o predomínio de conteúdos conceituais e interdisciplinaridade. Esse método fomenta um comportamento mais ativo do estudante e incentiva o pensamento crítico na busca do conhecimento. Ao final do estudo, foi possível notar que a população adolescente está aberta à alterações na metodologia de ensino. A escola como instituição de ensino deve utilizar essa experiência com o intuito de aumentar a aquisição de conhecimento nessa população. Foi perceptível que mesmo após a completa compreensão da metodologia, esse contato com a metodologia PBL causou uma certa insegurança em alguns alunos, especialmente os mais tímidos. Este foi um dos obstáculos para os acadêmicos de medicina, os quais, exercendo o papel de tutores precisavam proporcionar um ambiente confortável e estimulante dentro do grupo, para estimular a participação de todos os alunos na discussão. Notou-se ainda, que a participação ativa dos estudantes tanto na discussão, quanto na formulação de dúvidas e nas análises críticas ampliaram o alcance das atividades educativas. Diante disso, percebeu-se que a junção do saber popular e do conhecimento científico é uma ferramenta importante que pode ser utilizada de forma eficiente na sedimentação e promoção do conhecimento e consequentemente, na promoção e prevenção em saúde. Além disso, o uso da metodologia PBL nas escolas públicas pode ser considerada como forma interessante de educação em saúde para a prevenção primária e secundária do consumo de drogas. Ademais, os próprios alunos ponderaram que o assunto torna-se mais interessante devido à discussão e isso favorece o aprendizado.


Texto completo:

Sem título

Apontamentos

  • Não há apontamentos.