EDUCAÇÃO EM SAÚDE

NARGUILE E SUAS IMPLICAÇÕES EM SAÚDE INDÍGENA

Autores

  • Mariana Carvalho Pinheiro
  • Ana Maria Campos Marques

Palavras-chave:

Cachimbos de Água; Adolescente; Saúde de Populações Indígenas

Resumo

Introdução: O projeto de educação em saúde aplicado à população indígena adolescente da etnia Terena, que tem por objetivo a prevenção da inicialização do consumo de tabaco por meio do narguilé na Aldeia Novo Dia, em Campo Grande. Em razão de estatísticas que comprovam a alta prevalência de fumantes de narguilé no estado de Mato Grosso do Sul, bem como estudos que demonstram esse tipo de tabagismo como método de iniciar o consumo de tabaco entre jovens, justifica-se a necessidade de sua reaplicação, com atualizações científicas, em outra aldeia indígena. Sabe-se que o narguilé possui alta aceitabilidade social e fácil acesso, isso tem contribuído para o aumento do consumo entre adolescentes. Há muita influência exercida pelos meios midiáticos, como redes sociais que ensinam tutoriais, bem como sites de venda que permitem acesso aos produtos por menores de idade. Contudo, pode provocar efeitos agudos sobre a saúde, resultantes dos produtos tóxicos da combustão do carvão e da extração da mistura utilizada, em sua maioria, o tabaco aromatizado, que implica de modo acentuado doenças pulmonares, cardiovasculares, periodônticas, como também cânceres de boca e bexiga, infertilidade e doenças mentais. Objetivos: Elaboração e implantação de práticas educativas que visam a prevenir o uso de narguilé entre os adolescentes de comunidades indígenas. Realizar práticas interativas para analisar o consumo de narguilé nessas comunidades e discutir os malefícios do narguilé por meio de questionário “concordo e discordo” para se avaliar o conhecimento. Métodos: Trata-se de um projeto de extensão que tem a finalidade de gerar impacto na população indígena. As atividades de educação em saúde com abordagem pedagógica de cunho sociocultural, em que o humano é compreendido dentro de seu contexto, voltadas para adolescentes de 12 a 18 anos de idade e realizadas por acadêmicos de na aldeia Novo Dia em Campo Grande-MS, com a finalidade de construir conhecimentos quanto à prática de consumo do narguilé, enfatizando os malefícios à saúde, a sua representação e percepção social e fundamentar conhecimentos, como método de prevenção. Foram realizadas práticas interativas e dinâmicas com os adolescentes para estimar seus conhecimentos prévios, por meio de redes sociais, em razão da pandemia COVID-19. Após isso, a acadêmica estimulou uma reflexão sobre o permanente e o crescente uso de narguilé, elaborando uma aula expositiva por meio de vídeo publicado em grupos de whatsapp, relatando os riscos da adesão pelo grupo de adolescentes, bem como do consumo devido à exposição continuada de agentes químicos nocivos à saúde. Durante essas fases, a acadêmico esclareceu possíveis dúvidas que surgiram. Resultados: Em razão das limitações promovidas pela pandemia, o projeto seguiu percurso alternativo. Contudo, por meio de aplicadas, obteve-se bons resultados quanto aos conhecimentos obtidos por meio do questionário aplicado. Conclusões: Ainda que tenha ocorrido entraves, espera-se que os adolescentes indígenas da etnia Terena da aldeia Novo Dia sejam capazes de desenvolverem um olhar critico em relação ao consumo do narguilé, compreendam os mecanismos fisiológicos no organismo, os malefícios provocados à saúde e venham a ser lideres na prevenção da inicialização do consumo de tabaco. 

Referências

BRASIL. Ministério da Saúde. Nota técnica: uso de narguilé: efeitos sobre a saúde, necessidades de pesquisa e ações recomendadas para legisladores. 2. ed. Rio de Janeiro: INCA, 2017.

MENEZES, A. M. B., et. al. Frequência do uso de narguilé em adultos e sua distribuição conforme características sociodemográficas, moradia urbana ou rural e unidades federativas: Pesquisa Nacional de Saúde (PNS), 2013. v. 18, n. 2, p. 57-67, dez. 2015.

CRISTOVAM, M. A. S., et. al. Perfil epidemiológico do uso de substâncias psicoativas por adolescentes. Paraná, v. 49, n. 3, p. 123-128, mar. 2013.

CARVALHO, F. F. B. A saúde vai à escola: a promoção da saúde em práticas pedagógicas. Rio de Janeiro, v. 24, n. 4, p. 1207-1227, 2015.

MARTINS, S. R., et. al. Experimentação de e conhecimento sobre narguilé entre estudantes de medicina de uma importante universidade do Brasil. São Paulo, v. 40, n. 2, p. 102-110, 2014.

BRASIL. Ministério da Saúde. Ministério da Educação. Semana Saúde na Escola Guia de Sugestões de Atividades. Brasília, DF. 2012.

Publicado

21/03/2022

Como Citar

Carvalho Pinheiro, M., & Maria Campos Marques, A. (2022). EDUCAÇÃO EM SAÚDE: NARGUILE E SUAS IMPLICAÇÕES EM SAÚDE INDÍGENA . I SIMPÓSIO DO GRUPO DE ESTUDOS E PESQUISAS EM SAÚDE INDÍGENA DA UEMS, 1(1). Recuperado de https://anaisonline.uems.br/index.php/gepsi/article/view/8011