A CRIANÇA E A INFÂNCIA NA OBRA PSICOLOGIA DO DESENHO INFANTIL (1934) DE SYLVIO RABELLO

Andreína de Melo Louveira, Maria Eduarda Ferro

Resumo


Estudar o passado é, de certa forma, compreender o presente. Nesse diálogo entre passado e presente, conhecer as concepções pedagógicas daqueles que se ocuparam outrora
com a educação brasileira é uma tarefa muito satisfatória, pois nos permite conhecer melhor a História da Educação e da Pedagogia no Brasil em suas relações intrínsecas com a História de nosso país. O interesse por estudar a obra de Rabello surgiu quando nos deparamos com essa figura de vanguarda da psicologia escolar no Brasil, preocupado com o “estabelecimento de aspectos globais da conduta infantil”, a partir da análise de desenhos coletados nos “meios
escolares e extra-escolares” de Recife (PE). A obra que analisamos em nossa iniciação científica, PSICOLOGIA DO DESENHO INFANTIL (1934), compõe a Coleção Atualidades
Pedagógicas (1931-1981), responsável pela divulgação, a professores e estudantes de Educação, de certo conjunto de saberes de educadores e intelectuais nacionais e estrangeiros.
Publicada pela Companhia Editora Nacional, a Coleção colaborou para o sucesso do “programa de reforma da sociedade pela reforma escolar”. Nossa pesquisa de cunho se ocupou em identificar e analisar a construção discursiva e a difusão das categorias infância e criança, contextualizando esse processo a dois movimentos históricos da década de 30: a “pedagogia escolanovista” e a “política nacionalista do Estado Novo”. As características
psicológicas “da” criança e as descrições “da” infância revelam-se em descrições homogeneizantes. O discurso depreendido aponta o esforço pela configuração de uma
identidade educacional brasileira racional e científica aderente ao projeto de modernização do
Estado brasileiro.

Palavras-chave: História da Educação, Pensamento Pedagógico, Criança, Infância.

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.