DOSES DE FÓSFORO E POTÁSSIO NA PRODUÇÃO DE MUDAS DE MANGABEIRA

Wilbis Erondino Rezende, Wilson Itamar Maruyama

Resumo


O ensaio foi conduzido no setor de viveiro da Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul (UEMS), Unidade Universitária de Cassilândia, sendo avaliadas diferentes doses de fósforo e potássio e sua influência no desenvolvimento de mudas de mangabeira (Hancornia speciosa Gomez). O delineamento experimental foi blocos casualizados, onde cada parcela foi constituída por dez plantas em recipientes de polietileno (18 x 22 cm), Os tratamentos foram dispostos em esquema fatorial, com três doses de fósforo (0; 5,0 e 10 kg m-3 de P2O5) e três doses de potássio (0; 0,2 e 0,3 kg m-3 de K2O), utilizando-se como fonte de fósforo o super fosfato triplo e, como fonte de potássio, o cloreto de potássio. Os parâmetros avaliados foram diâmetro do colo, altura de planta, número de folhas e teor de clorofila, nas avaliações parciais, já na avaliação final as plantas foram destorroadas e avaliadas os parâmetros anteriores além de comprimento da raiz. Com relação aos fatores de adubação, o potássio não mostrou diferenciação significativa segundo o teste F. Já no fator fósforo, observou-se diferenciação significativa para o número de folhas, altura da planta e diâmetro do colo, sendo que apenas para o número de folhas, o melhor resultado foi observado na testemunha, porém para os outros parâmetros que apresentaram diferença significativa, todos melhoraram com o aumento da dose de fósforo no tratamento, onde os melhores resultados foram com a dose estimada de 10 kg m-3 de P2O5. Palavras-chave: recipientes, adubação, Hancornia speciosa Gomez.

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.