EDUCAÇÃO INCLUSIVA: (RE)PENSANDO POLÍTICAS E PRÁTICAS

Autores

  • Washington Cesar Shoiti Nozu
  • Doracina Aparecida de Castro Araujo

Resumo

Atrelada ao movimento internacional em prol da democratização do ensino, a partir da década de 1990, a proposta da educação inclusiva passou a ser entendida como a forma mais pertinente de garantir o direito de acesso e permanência na escola de todos os alunos. Entende-se por inclusiva a escola que acolhe todos os alunos, com ou sem necessidades educacionais especiais, estimulando a sociabilidade e a valorização das diferenças individuais e desenvolvendo habilidades para a formação integral de cidadãos conscientes e críticos. Entretanto, a dificuldade dos professores em lidar com a diversidade encerra, muitas vezes, em práticas segregacionistas e afasta, cada vez mais, a concretização dos direitos já declarados. Neste ínterim, devido à dificuldade da implementação das políticas da educação inclusiva nas redes de ensino, o presente estudo tem o intuito de identificar, a partir das contribuições científicas disponíveis, as nuances que promovem o desacordo entre as políticas de inclusão já estabelecidas e as práticas educativas desenvolvidas. Por fim, o trabalho, por meio de leituras e de anotações sistemáticas que servirão de base para a fundamentação teórica do estudo, visa propor alternativas propulsoras para a efetivação de um sistema educacional inclusivo. Palavras-chave: Inclusão escolar. Marcos normativos. Formação do professor. Diversidade.

Downloads

Publicado

14/10/2015

Como Citar

Shoiti Nozu, W. C., & de Castro Araujo, D. A. (2015). EDUCAÇÃO INCLUSIVA: (RE)PENSANDO POLÍTICAS E PRÁTICAS. ANAIS DO ENIC, 1(1). Recuperado de https://anaisonline.uems.br/index.php/enic/article/view/1001

Edição

Seção

CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS APLICADAS