A UTILIZAÇÃO DE MINIECOSSISTEMA COMO RECURSO DIDÁTICO E EXPERIMENTAL PARA O ENSINO DE CIÊNCIAS

Autores

  • Juliane Martins França da Silva
  • Maria Cassia da Silva Ramalho
  • Joyce dos Santos Vieira
  • Wagner Vicentin

Resumo

A prática docente na Educação Básica apresenta-se cada vez mais como uma atividade desafiadora ao competir pela atenção dos alunos com diversos atrativos tecnológicos, principalmente se esta prática for mediada apenas por aulas expositivas e tradicionais. A inserção de práticas experimentais pode potencializar o aprendizado uma vez que com a vivência investigativa, a formação e a criação de novos conceitos podem se tornar muito mais interessantes aos estudantes. Para o ensino de tópicos ligados à Ecologia, a elaboração de experimentos como a construção de ecossistemas em miniaturas se destaca pelo seu caráter investigativo e por possibilitar aos alunos um acompanhamento mais próximo de processos ecológicos que ocorrem na natureza. Assim, a fim de se desenvolver a capacidade argumentativa dos alunos e elaborar uma prática experimental para o ensino de Ciências, foi conduzido um experimento que consistiu na produção de dois miniecossistemas autossustentáveis sob a hipótese de que a serapilheira composta por folhas secas da mangueira Mangifera indica influenciaria positivamente no desenvolvimento das espécies de plantas. Para tanto, os ecossistemas foram montados em duas garrafas transparentes de plástico de cinco litros. Em ambos foram adicionados água (100 ml) e um substrato, com a mesma quantidade em cada, composto por cascalho, areia e terra, sendo que em apenas uma garrafa foi adicionada a serapilheira. Em seguida foi plantado em cada frasco um representante, de tamanho similar, das seguintes espécies: avenca, Adiantum sp.; antúrio Anthurium andraeanum e musgo, Tortula Muralis. Os frascos foram lacrados com fita adesiva e para acompanhar o desenvolvimento das plantas foi colado um adesivo transparente milimetrado. Ao longo de dois meses, verificou-se que o crescimento das plantas foi menor no ecossistema com serrapilheira do que no ecossistema sem serrapilheira, respectivamente: avenca 1 e 1 cm, antúrio 1 e 9 cm e o musgo 3 e 10 cm. Estes resultados foram contrários à hipótese inicial de que a serrapilheira melhoraria as propriedades físicas, biológicas e químicas do solo e por consequência influenciaria em um crescimento mais substancial das plantas. Como explicação alternativa, provavelmente o efeito alelopático do extrato folioso da mangueira pode ter inibido o desenvolvimento das plantas. Compostos aleloquímicos presentes nos tecidos de M. indica são conhecidos por inibirem ou retardarem o desenvolvimento de outras plantas. No ambiente sem serrapilheira foi possível observar a formação de gotículas de água no topo do frasco, demonstrando mais prontamente o ciclo da água e a importância da serrapilheira na retenção da água, visto que em um ambiente aberto o solo perderia umidade mais rapidamente. Esta atividade, além de constituir um mini laboratório prático e um material didático-pedagógico alternativo, possibilitou o desenvolvimento do conhecimento por meio da observação, experimentação e exploração de conceitos ecológicos no ensino de Ciências.

Downloads

Publicado

15/12/2016

Como Citar

França da Silva, J. M., Ramalho, M. C. da S., Vieira, J. dos S., & Vicentin, W. (2016). A UTILIZAÇÃO DE MINIECOSSISTEMA COMO RECURSO DIDÁTICO E EXPERIMENTAL PARA O ENSINO DE CIÊNCIAS. ANAIS DO EGRAD, 3(6). Recuperado de https://anaisonline.uems.br/index.php/egrad/article/view/3506

Edição

Seção

CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)