Deus Ex-Machina, de Carlos Gerbase:uma análise dramatúrgica do roteiro cinematográfico

Rômulo Gomes Baena, Paulo Rinaldo Fines Rocha

Resumo


 O presente trabalho propõe uma análise dramatúrgica do roteiro cinematográfico de Deus Ex-Machina (1995), de Carlos Gerbase. Nesse sentido, buscaremos desenvolver uma leitura dos mecanismos de construção da narrativa dramática no contexto cinematográfico, levando em conta conceitos-chave da teoria dramatúrgica bem como do gênero próprio do roteiro cinematográfico. Entretanto, para além do mapeamento das estratégias de construção poética da obra cinematográfica, buscaremos, a partir do que é imanente a esta, determinar as aproximações e distanciamentos da forma dramática cinematográfica e da forma dramática teatral, ponderando as especificidades de linguagem e dos meios técnicos. Para tanto, lançaremos mão do arcabouço teórico de Martin Esslin (1986), Robert McKee (2013), Leandro Saraiva e Newton Cannito (2004), Flávio de Campos (2007) e David Ball (2005), buscando aproximá-los e distanciá-los enquanto teóricos de perspectiva teatral e cinematográfica.O presente trabalho propõe uma análise dramatúrgica do roteiro cinematográfico de Deus Ex-Machina (1995), de Carlos Gerbase. Nesse sentido, buscaremos desenvolver uma leitura dos mecanismos de construção da narrativa dramática no contexto cinematográfico, levando em conta conceitos-chave da teoria dramatúrgica bem como do gênero próprio do roteiro cinematográfico. Entretanto, para além do mapeamento das estratégias de construção poética da obra cinematográfica, buscaremos, a partir do que é imanente a esta, determinar as aproximações e distanciamentos da forma dramática cinematográfica e da forma dramática teatral, ponderando as especificidades de linguagem e dos meios técnicos. Para tanto, lançaremos mão do arcabouço teórico de Martin Esslin (1986), Robert McKee (2013), Leandro Saraiva e Newton Cannito (2004), Flávio de Campos (2007) e David Ball (2005), buscando aproximá-los e distanciá-los enquanto teóricos de perspectiva teatral e cinematográfica.

Palavras-chave


Deus Ex-Machina; Roteiro; Dramaturgia.

Texto completo:

PDF

Referências


BALL, David. Para trás e para frente: um guia para leitura de peças teatrais. Tradução de Leila Coury. São Paulo: Perspectiva, 2005.

CAMPOS, Flávio de. Roteiro de Cinema e Televisão: A arte e a técnica de imaginar, perceber e narrar uma história. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2007.

CANNITO, Newton; SARAIVA, Leandro. Manual de roteiro – ou manuel, o primo pobre dos manuais de cinema e TV. São Paulo: Conrad Livros, 2004.

CARONI, Italo. Fábula e trama. Revista Língua e Literatura, v. 3, p. 157. São Paulo: Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da USP, 1974. Disponível: http://www.revistas.usp.br/linguaeliteratura/article/view/115777/113295 Acessado em 07/10/2019.

ESSLIN, Martin. Uma anatomia do drama. Tradução de Bárbara Heliodora. Rio de Janeiro: Zahar, 1986.

GERBASE, Carlos. Deus Ex-Machina (Roteiro de cinema). Porto Alegre, 1995. Disponível: http://www.roteirodecinema.com.br/banco/deusexmachina.doc Acessado em 02/10/2019.

MCKEE, Robert. Story: substância, estrutura, estilo e os princípios da escrita de roteiro. Tradução de Chico Marés. Curitiba: Arte & Letra. 2016.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Anais do Congresso de Pesquisas em Linguística e Literatura