Os personagens malandros de Lima Barreto

Autores

  • Victória Nantes Marinho Adorno Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul.
  • Altamir Botoso Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul.

Palavras-chave:

Malandro, “O homem que sabia javanês”, “Nova Califórnia”, Clara dos Anjos, Lima Barreto.

Resumo

O personagem malandro na Literatura Brasileira tem uma grande importância, pois sua imagem representa uma crítica a uma sociedade regida por contradições, revelando problemas sociais e desvelando tais contradições em seus atos. Segundo Antonio Candido (1970), o malandro é um indivíduo que vive fora das normas estabelecidas pela sociedade, situando-se entre a ordem e desordem. Trata-se de um anti-herói, que almeja a ascensão social, denunciando problemas sociais existentes na sociedade. Utiliza suas táticas para convencer suas vítimas, não se importa com os meios empregados, e acaba revelando traços da comunidade na qual está inserido, pois os atos de malandragem estão disseminados por toda a sociedade brasileira, atingindo o indivíduo, os grupos, as comunidades, os círculos políticos etc. O nosso objetivo é evidenciar traços da malandragem nos personagens dos contos “O homem que sabia Javanês”, “Nova Califórnia” e no romance Clara dos Anjos, de Lima Barreto. Nessas obras, os malandros surgem como personagens graciosos, conduzidos pelas oportunidades, utilizando a sedução, a boa lábia, a ambição do ser humano para convencer suas vítimas, fazendo o uso do famoso “jeitinho”, para se safarem de situações conflituosas. Como suporte teórico, utilizaremos os seguintes textos: “Dialética da Malandragem”, de Antonio Candido (1970), Carnavais, malandro e heróis, de Roberto DaMatta (1990), A vida de Lima Barreto, de Francisco de Assis Barbosa (2003), Malandragem Revisitada, de Roberto Goto (1988), Que horas são? Ensaios, de Roberto Schwarz (1987), No fio da navalha: malandragem e literatura no samba, de Giovanna Ferreira Dealtry (2009), dentre outros. Em nosso estudo, identificamos primeiramente os traços e características mais relevantes dos malandros para, em seguida, efetivar-se a análise desses elementos com o apoio dos textos teóricos, com o intuito de ampliar os estudos sobre o personagem malandro e os seus desdobramentos na ficção brasileira, e também com o propósito de difundir as obras de Lima Barreto que apresentem personagens cujo comportamento seja regido pela malandragem.

Biografia do Autor

Victória Nantes Marinho Adorno, Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul.

Graduada em Letras – Português/Espanhol pela Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul.

Altamir Botoso, Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul.

Doutor em Letras pela Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”. Professor Adjunto da Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul.

Referências

ARBOLEYA, Valdinei José. O homem cordial e a formação do povo brasileiro: um estudo das obras Memórias de um sargento de milícias, O homem que sabia javanês e Macunaíma. Revista de Literatura, História e Memória, Unioeste, Campus de Cascavel, v. 13, n. 21, 2017, p. 233-248.

BARBOSA, Francisco de Assis. A vida de Lima Barreto (1881-1922). 9. ed. Rio de Janeiro: J. Olympio, 2003.

BARRETO, Afonso Henriques de Lima. Diário Íntimo. 2. ed. São Paulo: Brasiliense, 1961.

BARRETO, Afonso Henriques de Lima. Lima Barreto: obras reunidas. 1. ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2018a, v. 1

BARRETO, Afonso Henriques de Lima. A nova Califórnia. In: BARRETO, Afonso Henriques de Lima. Lima Barreto: obras reunidas. 1. ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2018b, p. 302-312, v. 2.

BARRETO, Afonso Henriques de Lima. Clara dos Anjos. 1. ed. São Paulo: Penguin Classics Companhia das Letras, 2012a.

BARRETO, Afonso Henriques de Lima. O homem que sabia javanês. In: BARRETO, Afonso Henriques de Lima. O homem que sabia javanês e outros contos. 1. ed. Rio de Janeiro: BestBolso, 2012b.

CANDIDO, Antonio. Dialética da malandragem (Caracterização das “Memórias de um sargento de milícias”). Revista do instituto de estudos Brasileiros, n. 8. Universidade de São Paulo, 1970, p. 67-89.

CRISTINO, Leandro Nascimento. A malandragem como emblema nacional. Soletras, ano IX, n. 17 – Supl. São Gonçalo: UERJ, 2009, p. 39-51.

CUNHA, João Figueiredo Alves Da. Entre melindres e espertezas: personagens malandras, nos contos de Lima Barreto e José da Silva Coelho. Tese (Doutorado em Letras), Departamento de Letras Clássicas e Vernáculas da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo – FFLCH-USP, São Paulo, 2016.

DAMATTA, Roberto. Carnavais, malandros e heróis. 6. ed. Rio de Janeiro: Rocco, 1997.

DEALTRY, Giovanna Ferreira. No fio da navalha: malandragem na literatura e no samba. Rio de Janeiro: Casa da Palavra, 2009.

FREIRE, Zélia. R. N. S. Lima Barreto: imagem e linguagem. 1. ed. São Paulo: Annablume, 2005.

GALVÃO, Walnice Nogueira. No tempo do rei. In: GALVÃO, Walnice Nogueira. Saco de gatos: ensaios críticos. São Paulo: Duas Cidades/Secretaria da Cultura, Ciência e Tecnologia do Estado de São Paulo, 1976, p. 27-33.

GOTO, Roberto. Malandragem revisitada: uma leitura ideológica de “Dialética da malandragem”. Campinas-SP: Pontes, 1988.

ROCHA, João Cézar de Castro. A guerra de relatos no Brasil contemporâneo. Ou: a “dialética da marginalidade”. Letras - Revista do Programa de Pós-Graduação em Letras, Universidade Federal de Santa Maria, UFSM, n. 32, jun. 2006, p. 23-70.

SCHWARZ, Roberto. Que horas são? Ensaios. São Paulo: Companhia das Letras, 1987.

Downloads

Publicado

12/05/2020

Como Citar

Adorno, V. N. M., & Botoso, A. (2020). Os personagens malandros de Lima Barreto. ANAIS DO CONGRESSO DE PESQUISAS EM LINGUÍSTICA E LITERATURA, 1(1), 277–291. Recuperado de https://anaisonline.uems.br/index.php/CPLL/article/view/6963