A intermidialidade em questão: uma análise de Vastas Emoções e Pensamentos Imperfeitos, De Rubem Fonseca

Lucio Flávio Rocha Junior

Resumo


Os estudos de intersemiótica surgiram timidamente e têm ganhado força na análise de pontos comuns entre as mídias utilizadas em diversas artes. Com uma visão atenta, e aqui foge-se da ideia do inventivo malicioso, é possível verificar o diálogo produtivo entre Literatura e Cinema por meio dos pontos em que elas têm em comum, indo além dos limites que supostamente teriam e possibilitando imersões em um universo repleto de novos significados, considerando sensações complementares àquelas que uma arte estaria obrigatoriamente limitada. A literatura Fonsequiana, por sua vez, há muito é vinculada ao cinema. Seja pela concisão, pelos referenciais ou mesmo pela agilidade com que o texto de Rubem se apresenta, o caráter fílmico sempre esteve presente. Este trabalho tem como objetivo demonstrar as relações intersemióticas entre Literatura e Cinema presentes de forma implícita na Obra Vastas Emoções e Pensamentos Imperfeitos, de Rubem Fonseca, tomando por base o registrado por Claus Clüver quanto às referências intermidiáticas, bem como as comparações às observações de Jacques Aumont, Solange Ribeiro de Oliveira, Dziga Vertov e Glauber Rocha. É possível identificar que as referências implícitas no texto funcionando como “manual” do cinema, abordando conceitos técnicos de produção e execução cinematográfica; o conceito de verdade fílmico, a transposição midiática, a essência e as características dos cineastas se mostram como pontos fortes arraigados no cerne da narrativa. É possível, num todo, afirmar que a obra é – dada a sua qualidade literária – uma grande referência midiática ao cinema. Outrossim, é possível verificar que o cinema é mais que um simples referencial na obra, mas funciona como personagem ativa na relação entre o narrador e os demais personagens. Finalmente, a análise da obra literária em comparação ao Cinema não estabelece uma escala hierárquica entre estas Artes, mas busca unificá-las em seus pontos comuns, sem desmerecer ou supervalorizar pontos em que se desencontram.


Palavras-chave


Referência Intermidiática; Cinema; Intermidialidades; Rubem Fonseca

Texto completo:

PDF

Referências


AUMONT, Jacques. As Teorias dos Cineastas. São Paulo: Papirus, 2008.

CARRIERE, Jean Claude. A Linguagem Secreta do Cinema. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1995.

CLUVER, Claus. Intermidialidades. Pós: Belo Horizonte, v. 1, n. 2, p. 8-23, 2011.

DUARTE, Eduardo de Assis. Literatura e outros sistemas semióticos. In: VASCONCELOS, Maurício Salles; COELHO, Haydée Ribeiro. 1000 rastros rápidos – cultura e milênio. Belo Horizonte: Autêntica, 1999.

EISENSTEIN, Serguei. Teoria Generale del Montaggio. Veneza: Marsilo, 1985.

FONSECA, Rubem. Vastas Emoções e Pensamentos Imperfeitos. São Paulo: Planeta De Agostini 1988.

LÖBLER, Daiane Antunes Dias. Tempo, Narração e Monólogo Interior: Um paralelo entre Virgínia Woolf e Clarice Lispector a partir dos romances Passeio ao Farol e Perto do Coração Selvagem. (dissertação) Programa de Pós-Graduação em Letras, UNISC, 2012.

OLIVEIRA, Solange Ribeiro de. Literatura e artes plásticas: o KLÜSTERROMAN na ficção contemporânea. Ouro Preto: UFOP, 1993.

PASOLINI, Pier Paolo. L’experiénce hérétique. Paris: Payout, 1976.

ROCHA, Glauber. Alphaville In: O século do Cinema. Brasil: Cosac Naify, 2006

ROCHA, Glauber. Delinquência Juvenil In: O século do Cinema. Brasil: Cosac Naify, 2006

ROCHA, Glauber. Forma e Sentido do Cinema In: O século do Cinema. Brasil: Cosac Naify, 2006

VERTOV, Dziga. Articles, Journaux, projects. Paris: UGE, 1972.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Anais do Congresso de Pesquisas em Linguística e Literatura