Intermidialidade em Jane Austen: análise de adaptações Orgulho e Preconceito

Elisangela Lopes Pereira

Resumo


Jane Austen, escritora inglesa do século XIX, tinha como tema nos seus romances a vida cotidiana dos lares Ingleses.Com uma voz irônica e satírica, é uma das autoras mais lida da literatura inglesa e teve todas as suas obras transformadas em adaptações cinematográficas. Em decorrência das obras cinematográficas, surgiu o fenômeno Austenmania, gerando uma infinidade de produtos com o tema austeniano. Sua obra mais conhecida “Orgulho e preconceito”, tem inúmeras adaptações e teria a tradução intersemiótica da linguagem literária para a cinematográfica conseguido com seus recursos traduzir a essência do texto literário? Em 1995 a BBC produziu uma série de 6 capítulos, de “Orgulho e preconceito” e em 2005 Hollywood produz um longa com o mesmo tema. Sendo os personagens principais Elizabeth Bennet e Mr Darcy, comparo o trecho da obra em que se conhecem, aonde Darcy é extremamente arrogante e insulta Lizzy, com as cenas produzidas no filme e na série, para encontrar a intersecção existentes entre esses dois mundos, a escrita e o áudio visual. A série da BBC pode contar com um tempo maior, e dessa maneira optou por levar no trecho analisado a interpretação mais próxima do texto escrito, utiliza o recurso da câmera bem próxima para mostrar os olhos dos personagens, levando em consideração que a obra escrita é carregada com olhares. O trecho do filme é mais rápido, com baixa iluminação, colocando Lizzy em um local mais escondido, de modo que Darcy não percebe ao final da fala que fora ouvido. Porém apesar de curto, pois o filme tem 2h de duração e pela opção do produtor por falas mais concisas e diretas, o contexto foi mantido e conseguimos perceber a coerência com o texto literário. Cada filme ou série literária carrega o olhar do diretor, pois é a transmissão do roteiro adaptado, entretanto apesar das diferentes opções dos roteiristas, e escolhas por trabalhar determinadas partes dos textos da obra ou não, conseguimos perceber a essência de Orgulho e preconceito nas adaptações analisadas.


Palavras-chave


Intermidialidade; adaptação cinematográfica; Jane Austen.

Texto completo:

PDF

Referências


– Quem é esta mulher [Locução de]: Thaís Brito [S.l.] Café com Austen, 31 de mar. 2019. Podcast. Disponível em: https://open.spotify.com/episode/5QbNJ6pgQhTusaS7PEV7P1. Acesso em: 02 ago. 2019.

AMORIN, Maria Inês Freitas de. Diálogos intermidiáticos de Jane Austen: entre os livros e o youtube. In: XV Congresso Internacional ABRALIC. 07 a 11, agosto, 2017. UFRJ, Rio de Janeiro, RJ. Anais (on-line). Brasília: ABRALIC, 2017. Disponível em: http://www.abralic.org.br/anais/arquivos/2017_1522196114.pdf. Acesso em: 02 ago. 2019.

AUSTEN, Jane. Orgulho e preconceito. Tradução Lúcio Cardoso. (10. ed.) Rio de Janeiro, Bestbolso, 2018.

AZEREDO, Genilda. Para celebrar Jane Austen: diálogo entre literatura e cinema. (1.ed.) Curitiba: Appris, 2013.

CLÜVER, Claus. Intermidialidade. Pós: Belo Horizonte, v.1.n.2.p.8 – 23 nov. 2001.

COUTO, Lucas. O que é a Regra do Hitchcock? In: Blog Emania. 14 nov. 2015. Disponível em: https://blog.emania.com.br/o-que-e-a-regra-do-hitchcock/ . Acesso em: 02 ago. 2019.

GANDARA, Lemuel da Cruz. Jane Austen no cinema literário: Tradução coletiva e dialogismo no grande tempo das artes. 20015. Dissertação (Mestrado em Teoria Literária e Literaturas) – UNB, Brasília, 2015.

GUIMARÃES, Priscila Dudziak. Tradução Intersemiótica da Linguagem Literária para a Linguagem Cinematográfica: Análise da Adaptação do Filme “Orgulho e Preconceito” (2005) a partir do romance Homônimo de Jane Austen. Monografia (Graduação). UNICAMP, Campinas, 2011.

MUSMANNO, Luana Maricato. Perspectivas intersemióticas e transmidialidade: adaptando Jane Austen no século XXI.2015. Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal Fluminense, Instituto de Letras, Niterói, 2015.

PAPO DE PENGUIN: Jane Austen com Julia Romeu e Marco Ferroni [Locução de]: Luara França. [S.l.] Radio Companhia, 10 de jun. 2019. Podcast. Disponível em: https://open.spotify.com/episode/1eefKhCgNFRXD4Ks74rWhj?si=bNvS8ZcqTq6_-bTLO1JnaQ. Acesso em: 02 ago. 2019.

ORGULHO e preconceito. Direção: Joe White. Produtor: Tim Bevan, Eric Fellner,

Paul Webster. Intérpretes: Keira Knightley; Matthew Macfadyen; Brenda Blethyn; Donald Sutherland; Rosamund Pike; Jena Malone; Tom Hollander; Penelope Wilton; Judi Dench e outros. Roteiro: Deborah Moggach. Música: Dario Marianelli. Reino Unido, Estados Unidos. Universal Studios, c2005, 1DVD (127 min), Widescreen , color. Baseado no romance “Orgulho e preconceito, de Jane Austen.

ORGULHO e preconceito. Direção: Simom Langton. Produtor: Sue Birtwistle. Intérpretes: Jennifer Ehle, Colin Firth; David Bamber, Benjamin Whitrow e outros. Roteiro: Andrew Davies. Música: Carl Davis. Reino Unido. BBC, c1995, 6DVD (55 min), Widescreen , color. Baseado no romance “Orgulho e preconceito, de Jane Austen.

OZI Labs – Linguagem Cinematográfica. Ozzi Audiovisual. Youtube. 3 jun 2016 . 21min33s. Disponível em https://www.youtube.com/watch?v=F5XLgFa4M_c Acesso em: 02 ago. 2019.

VUADEN, Filipe Róger. A centralidade de Pride and Prejudice para a consolidação e manutenção da Austenmania. Ilhas Literárias: Estudos de transárea, UFRGS, Porto Alegre, 2018. Disponível em: https://www.ufrgs.br/ppgletras/coloquiosularquipelagos/artigos/06_PrideandPrejudice.pdf. Acesso em: 02 ago. 2019.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Anais do Congresso de Pesquisas em Linguística e Literatura