Do rap à literatura marginal: Vozes femininas

Maria Luisa Barbosa Martins

Resumo


O objetivo desse artigo é analisar as semelhanças e diferenças entre a poesia e a música produzidas por mulheres pertencentes ao universo da literatura marginal. As poetisas Luiza Ramão e Dinha, e as rappers Mariana Mello, Nabrisa, Souto Mc, Karol de Souza, Drika Barbosa, Azzy e Bivolt utilizam de suas composições para narrar as diversas lutas das mulheres periféricas brasileiras. À luz da teoria feminista e de teorias sobre a literatura marginal, traçamos um paralelo entre os poemas daquelas escritoras e o rap quanto a sua estética e seu conteúdo literário.

Palavras-chave


Rap; poesia; mulher.

Texto completo:

PDF

Referências


AZZY. BARBOSA, Drik. BIVOLT. MELLO, Mariana. SOUTO, Mc. SOUZA, Karol de. Poetisas no topo. São Paulo: Pineapple, 2017. Disponível em: . Acesso em: 12/07/2019.

BATALHA, M.C. O que é uma literatura menor? Revista Cerrados, v. 35, 2013, p. 115-134.

BUTLER, Judith. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. Tradução de Renato Aguiar. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003.

DINHA, Maria Nilda. Gado cortado em milprantos. 1ed. São Paulo: Edições Me Parió Revolução, 2018.

LOUSA, P.L. Literatura marginal-periférica de autoria feminina: Testemunho, resistência e poesia. Revista eletrônica Cenários, Vol. 1, nº 15 (2017). Disponível em: . Acesso em: 12/07/2019.

MIRANDA, W.S. Diálogos possíveis: do rap à literatura marginal. Revista eletrônica Darandina, Vol 4, n° 1 (2011). Disponível em: . Acesso em: 12/07/2019.

ROMÃO, Luiza. Coquetel Motolove. 1ed. São Paulo: Selo Doburro, 2014.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Anais do Congresso de Pesquisas em Linguística e Literatura