AVALIAÇÃO MORFOLÓGICA DE BOVINOS DAS RAÇAS PANTANEIRA E GIROLANDO CRIADOS EM CONDIÇÕES “IN SITU”

Rodrigo Carvalho Ferreira, Pietro Holtz Giannone, Karoline Mota Morais, Vitória Soares, Marcus Vinicius Morais Oliveira

Resumo


Este trabalho consistiu em uma avaliação ezoognótica de fêmeas da raça Pantaneiras e Girolando
buscando parâmetros fenotípicos semelhantes entre ambas e de importância para conformação de
animais com aptidão para produção de leite. A coleta de dados foi conduzida em três propriedades
do Estado de Mato Grosso do Sul, ¹Núcleo de Bovinos Pantaneiros de Aquidauana (NUBOPAN)
em Aquidauana/MS, ²Fazenda São Marcus localizada em Guia Lopes da Laguna/MS e ³Estância
Dois Irmãos situada em Rio Negro/MS. Foram avaliados ao todo 148 fêmeas primíparas e
multíparas, criadas em sistema extensivo, consistindo 119 da raça Pantaneira e 29 animais
Girolando. Utilizou-se hipômetro, fita métrica, trena métrica metálica e balança mecânica para
mensurar os dados quantitativos. Os parâmetros fenotípicos analisados foram: altura de garupa
(AG), profundidade torácica (PT), profundidade abdominal (PA), comprimento de corpo (CC),
perímetro torácico (PeT), abertura torácica (AT), comprimento de garupa (CG), largura entre
ísquios (LI), ângulo da garupa (AnG), membros posteriores vista lateral (MPL), membros
posteriores vista por trás (MPT), altura dos quartos posteriores (AQP), largura dos quartos
posteriores (LQP), inserção dos tetos – anteriores e posteriores (IT), comprimento dos tetos (CT),
diâmetro dos tetos (DT), profundidade do úbere (PU), ligamento anterior (LA), ligamento posterior
(LP) e peso corporal. As médias em centímetros seguidas de seus respectivos erros padrão para a
raça Pantaneira, foram: AG: 129,62±0,58; PT: 65,61±0,35; PA: 69,90±0,46; CC: 107,73±1,04;
PeT:174,21±1,79; AT:21,55±1,39; CG:48,53±0,43; LI:20,64±0,61; AQP: 16,87±0,34;
LQP:9,30±0,25; CT:7,10±0,19; DT:3,41±0,08; PU:15,53±0,41 e peso corporal: 384,76±6,13. Os
parâmetros angulares são expressos em (%), onde: AnG: 85,62 caída, 14,05 retilínea e 0,32
invertida; MPL: 6,68 reta, 92,67 padrão e 0,32 curvada; MPT:77,53 fechada e 22,46 reta; IT –
anteriores: 53,10 normais, 40,30 fechados e 3,59 distantes; IT – posteriores: 16,42 normais, 79,41
fechados e 4,16 distantes; LA:78,73 obtiveram nota 1, 20,61 nota 2 e 0,65 nota 3; LP: 33,19
receberam nota 1, 64,84 nota 2 e 1,96 nota 3. As fêmeas Girolando obtiveram as seguintes médias e
erros padrão (cm): AG:141,10±1,78; PT: 77,83±1,12; PA: 79,69±1,30; AT: 20,72±0,52; CG:
50,45±1,36; LI: 19,76±0,54; AQP:17,31±0,85; LQP:6,86±0,38; PU: 24,52±0,93; peso corporal:
527,45±21,66 apresentando o seguinte perfil para as características angulares (%): AnG: 48,28
caída, 51,72 retilínea; MPL: 44,83 retos e 55,17 padrão; MPT: 89,66 fechados e 10,34 retos; IT –
anteriores: 51,72 normais, 41,38 próximos e 6,90 distantes; IT – posteriores: 89,66 normais e 10,34
próximos; LA: 86,21 receberam nota 1 e 13,79 nota 2; LP: 6,90 obtiveram nota 1, 89,66 nota 2 e
3,45 nota 3. Conclui-se que a raça Pantaneira apresenta bons índices lineares/angulares de CG, LI,
AQP, LQP, CT, DT, PU quando comparados as fêmeas Girolando, assim, pode vir a ser utilizada
em programas de seleção e melhoramento genético visando a produção leiteira.


Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.