APERFEIÇOAMENTO TECNOLÓGICO DA SEMEADURA DIRETA DE ESPÉCIES NATIVAS PARA A RESTAURAÇÃO FLORESTAL

Felipe Brancalion Giacomelli, Glaucia Almeida de Morais

Resumo


A técnica de semeadura direta apresenta-se como alternativa promissora para plantios de espécies florestais nativas em áreas degradadas, requerendo mais estudos para favorecer o uso em projetos de restauração ecológica pela melhoria da plantabilidade e custo-benefício. A partir de um “mix” de 10 espécies de árvores nativas, objetivou-se avaliar o potencial germinativo e o efeito da densidade e da cobertura das sementes na emergência de plântulas de Pterogyne nitens; Anadenanthera peregrina; Peltophorum dubium; Albizia niopoides; Apuleia leiocarpa; Sparattosperma leucanthum; Tabernaemontana histrix; Mabea fistulifera; Guazuma ulmifolia; Colubrina glandulosa. O estudo foi conduzido na Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul, em Ivinhema. As sementes foram coletadas de 6 a 12 matrizes e submetidas a testes germinativos em câmara de germinação à 25°C e iluminação constante e em sementeira de areia. Os dados diários de germinação e emergência foram utilizados para os cálculos de: porcentagem final; índice de velocidade e tempo médio. Em campo, foram avaliadas três diferentes densidades de semeadura (D1=3, D2=6 e D3=12 sementes) em 2,5m lineares combinadas com três condições de cobertura das sementes (C1=2cm de solo, C2=2cm de palha e C3=2cm de solo + palha), sendo o controle (C) representado pelas sementes dispostas sem cobertura (SC), totalizando 9 tratamentos e 3 controles. O experimento foi realizado em três repetições. Os dados de emergência foram coletados diariamente por 30 dias após a primeira emergência e utilizados para os mesmos cálculos mencionados para germinação. Os dados foram submetidos à análise de variância (Anova) a 5% de probabilidade e, havendo efeito significativo, as médias foram submetidas ao teste de Tukey. O potencial germinativo das espécies em sementeira, câmara de germinação e campo, foram, respectivamente: P. nitens - 88%, 77% e 24,3%; A. peregrina - 86%, 88,8% e 33,1%; P. dubium – 54%, 92% e 34,0%; A. noipoides – 89%, 93% e 16,4%; A. leiocarpa – 63%, 94% e 19,8%; S. leucanthum – 22%, 56% e 0%; T. hystrix – 92%, 94% e 0%; M. fistulifera – 65%, 57% e 1,6%; G. ulmifolia – 90%, 95% e 26,4%; C. glandulosa – 9%, 3% e 0%. Anadenanthera peregrina apresentou maior velocidade e menor tempo médio de germinação e emergência nas condições avaliadas, enquanto que, M. fistulifera e S. leucanthum apresentaram menor velocidade e maior tempo médio em laboratório. Em campo, S. leucanthum, T. hystrix e C. glandulosa não germinaram em nenhuma das condições avaliadas, e a menor velocidade média de emergência foi observada em M. fistulifera, com tempo médio superior a 22 dias. A densidade não influenciou significativamente na emergência, mas a cobertura com solo e solo + palha superou as demais condições de cobertura das sementes, proporcionando maior taxa de emergência, mostrando ser esse procedimento eficaz para aplicação da técnica da semeadura direta na restauração florestal.


Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.